A Mão e a Luva - Machado de Assis

Categorias: 


que se lhe dissipou como os outros. A frouxidão do ânimo negou-lhe essa última
ambição. Os olhos podiam fitar a morte, como podiam encarar a fortuna; mas
faltavam-lhe os meios de caminhar a ela. Esteve ali, pois, até o fim; e em vez de
mergulhar na água e no nada, como delineara, regressou tristemente para casa,
trôpego como um ébrio, deixando ali a sua mocidade toda, porque a que levava
era uma coisa descolorida e seca, estéril e morta. Os anos passaram depois, e à
medida que vinham, ia-se Estevão afundando no mar vasto e escuro da multidão
anônima. O nome, que não passara da lembrança dos amigos, aí mesmo morreu,
quando a fortuna o distanciou deles. Se ele ainda vegeta em algum recanto da
capital, ou se acabou em alguma vila do interior, ignora-se.
O destino não devia mentir nem mentiu à ambição de Luís Alves. Guiomar
acertara; era aquele o homem forte. Um mês depois de casados, como eles
estivessem a conversar do que conversam os recém-casados, que é de si
mesmos, e a relembrar a curta campanha do namoro, Guiomar confessou ao
marido que naquela ocasião lhe conhecera todo o poder da sua vontade.
— Vi que você era homem resoluto, disse a moça a Luís Alves, que, assentado, a
escutava.
— Resoluto e ambicioso, ampliou Luís Alves sorrindo; você deve ter percebido
que sou uma e outra coisa.
— A ambição não é defeito.
— Pelo contrário, é virtude; eu sinto que a tenho, e que hei de fazê-la vingar. Não
me fio só na mocidade e na força moral; fio-me também em você, que há de ser
para mim uma força nova.
— Oh! sim! exclamou Guiomar.
E com um modo gracioso continuou:
— Mas que me dá você em paga? um lugar na Câmara? uma pasta de ministro?
— O lustre do meu nome, respondeu ele.
Guiomar, que estava de pé defronte dele, com as mãos presas nas suas, deixouse
cair lentamente sobre os joelhos do marido, e as duas ambições trocaram o
ósculo fraternal. Ajustavam-se ambas, como se aquela luva tivesse sido feita para
aquela mão.
FIM

 

 

Páginas